Comercial (11) 2577-7899

Na visão dos membros do Instituto de Engenheiros Eletrônicos e Eletricistas (IEEE), organização profissional técnica dedicada ao avanço da tecnologia em benefício da humanidade, a Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD) será um dos propulsores de empregabilidade do setor no Brasil

cadeado desfazendo mostra segurança frágil na web

O surgimento de novas tecnologias como 5G, Internet das Coisas (IoT), veículos autônomos e indústria 4.0 está levando ao aumento da demanda de profissionais de cibersegurança. Segundo estimativas da Cybersecurity Venture, empresa mundial em pesquisas de cibereconomia global, o setor deverá gerar de 3,5 milhões postos de trabalho até 2021. Somado a esses fatores, a entrada em vigor em agosto da lei 13.709/18, conhecida por Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD), contribuirá para o aumento da demanda no Brasil. Diante deste cenário, os engenheiros Marcos Simplicio e Raul Colcher, membros do IEEE,  organização profissional dedicada ao avanço da tecnologia em benefício da humanidade, acreditam na urgência da formação de profissionais neste setor para resolver problemas de segurança e privacidade de tecnologias existentes e emergentes.

Professor do Departamento de Engenharia de Computação e Sistemas da Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (Poli-USP), Marcos Simplicio defende que haja profissionais cobrindo todo o ciclo e etapas de um sistema de segurança. “É importante ter um designer para criar um sistema robusto; um programador de segurança para evitar vulnerabilidades e um administrador de sistema para elaborar um ambiente seguro. Todas essas funções estão conectadas e a falha de uma delas pode prejudicar o sistema inteiro”, afirma.

Para Raul Colcher, sócio e presidente da Questera Consulting, as habilidades necessárias para um profissional de cibersegurança são multidisciplinares e compreendem técnicas específicas do setor, como conhecimentos e treinamentos básicos sobre tecnologias e soluções emergentes que caracterizam o novo ambiente de redes, sistemas e serviços. Ademais precisam estar familiarizados com os problemas e as características dos setores e aplicativos que irão proteger. “Por fim, eles precisam de um entendimento sólido dos problemas administrativos, comportamentais e regulatórios que normalmente estão presentes em incidentes e ameaças de segurança e privacidade”, conclui.

Nas entrevistas com os especialistas, ainda podem ser abordados temas como:
· Oportunidades profissionais que surgirão em razão da entrada em vigor da Lei Geral de Proteção de Dados (LPDG) e as habilidades exigidas de cada um desses profissionais.
· Tecnologias que um profissional de cibersegurança precisa dominar como criptografia, Blochchain, IoT, Data Sciente e Inteligência Artificial
· Os desafios da cibersegurança para os próximos cinco e dez anos.
· Possíveis prevenções aos riscos e oportunidades na busca por segurança.

Fonte: https://inforchannel.com.br/ciberseguranca-deve-gerar-35-milhoes-de-empregos-ate-2021/

Compartilhar está publicação